Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2007

O dom para fazer contato

Imagem
Aquele homem falava com os sapos. Com o pôr do sol, quando as pessoas voltam para casa, é que ele saia para campear. Ia sozinho para os matos, onde se esconde toda a bicharada bruta, mas as pessoas só conhecem a quiçaça dos espinheiros. Lá se escuta a algazarra dos anônimos. Na cabelama inútil dos sarceros, dos seres esquecidos, ele conversava com os sapos. Primeiro escutava. Depois, com voz de sapo, ele mesmo falava, fazendo distinção entre cada pessoa anura. Sabia dar os nomes para machos ou fêmeas. Sabia chamá-los e também encontrá-los. Achava as toquinhas deles, as de espuma e as cavadas na terra, e as na beira d'água. Lá, ele ouvia muitas vozes.
O mundo dele tinha som ambiente, 'om'. Onde as pessoas comuns sentiriam a profunda solidão, ele se achava na grande cidade dos sapos: os muitos transeuntes, as festas, as ruas deles. Ele não estava só entre anuros, porque tinha o dom. Ele conseguiu o milagroso: descobrir o mundo exposto para a gente, que começa com o cair da n…